Publicado em

12º Responda criativamente às mudanças

Sim, quando nos propomos a fazer um planejamento permacultural de um espaço, prevemos o que, quando, onde e como os elementos serão distribuídos. Mas quem está integrado com a natureza sabe: ela num cabe em nenhuma caixinha. Então, sempre, em todos os designs que já foram feitos no planeta, ocorrem imprevistos: tal planta não gostou daquele lugar, surgiram espontâneas não previstas no projeto que se dão muito melhor com aquelas condições, a vaca estourou a cerca, a chuva não veio, ou choveu muito mais do que o previsto, enfim, são inúmeras as possibilidades de imprevisões que, certamente, aparecerão durante a implementação do seu planejamento.

Um exemplo bem presente no cotidiano de todos os leitores deste post é a migração para as atividades online. Com a restrição do contato físico causado pelo surgimento da pandemia do COVID 19, quem conseguiu se adaptar para o mundo virtual conseguiu manter seu projeto rodando.

O autor deste post, com a crise da falta d”agua em São Paulo em 2014, tornou-se cisterneiro, instalou centenas de sistemas e capacitou centenas de pessoas Brasil adentro através do projeto Escola de Cisterna. É tudo uma questão de ponto de vista: torneiras secas enquanto as chuvas  alagam a cidade. Crises geram oportunidades e é também sobre isso que fala este princípio.

Conheça os outros princípios do planejamento permacultural:

01- Observe e Interaja - princípios da permacultura

1º – Observe e interaja

O primeiro dos 12 princípios da permacultura nos convida a conhecer muito bem o ambiente para o qual vamos planejar antes de começarmos a atuar.

2º – Capte e armazene energia

Um dos trabalhos mais importantes do permacultor é identificar os resursos acessíveis em seu local de atuação. A água da chuva, por exemplo acessível durante

3º – obtenha rendimento

O terceiro princípio do planejamento permacultural é “obtenha rendimento”. Será que o que David Holmgren estava querendo dizer é que o nosso trabalho deve gerar dinheiro?

5º – Use e valorize os serviços e recursos renováveis

Quando falamos sobre recursos renováveis, tradicionalmente pensamos na energia solar, na energia eólica, até a força das marés já são utilizadas na geração de energia elétrica. Mas aqui neste post nós vamos ampliar um pouco esse conceito.

6º – Não produza desperdícios

Quando a gente começa a fazer permacultura, passamos a perceber que tudo pode ser encarado como recurso. Com esse novo olhar, começamos a buscar maneiras de usar e reusar tudo, às últimas consequências.

7º – Projete dos padrões aos detalhes

Este princípio nos convida a observarmos o nosso espaço de fora para dentro. Primeiro vamos olhar para o macro, para o local onde estamos inseridos, o bioma, os ciclos, as características que pertencem à região como um todo para a partir de então, olharmos para as especificidades da terra para qual estamos planejando (projetando).

8º – Integrar ao invés de segregar

O oitavo princípio do planejamento permacultural nos convida a refletirmos sobre o velho conceito de independência. Será que é isso que buscamos no design permacultural?

9º – Use soluções pequenas e lentas

Quem tem pressa, além de comer cru, dá um monte de mancada nos seus afazeres, não é mesmo? O nono princípio do planejamento permacultural reforça que os sistemas pequenos e lentos são mais fáceis de manter do que os grandes, fazendo melhor uso dos recursos locais e produzindo resultados mais sustentáveis.

10º – Use e valorize a diversidade

Quem tem pressa, além de comer cru, dá um monte de mancada nos seus afazeres, não é mesmo? O nono princípio do planejamento permacultural reforça que os sistemas pequenos e lentos são mais fáceis de manter do que os grandes, fazendo melhor uso dos recursos locais e produzindo resultados mais sustentáveis.