Entenda o que é “enzima do lixo” e como os restos de alimento da sua cozinha podem se transformar em produtos de limpeza eficientes e saudáveis para quem faz, para quem usa e para os rios da sua cidade.

Imagine transformar as cascas de frutas e restos de hortaliças da sua cozinha num produto de limpeza ecológico, capaz não só de colaborar com a limpeza da sua casa mas também com a despoluição dos rios. Isso existe? Sim. Com vocês, a enzima do lixo!

Desenvolvida na Tailândia pela doutora Rosukon Poompanvong, a “Garbage Enzyme” ou enzima do lixo é resultado de mais de 30 anos de pesquisa e, segundo a sua criadora, a enzima é a ferramenta mais acessível para que as pessoas comuns possam colaborar com a redução do aquecimento global. Reconhecida em 2003 pelos seus incríveis resultados na agricultura orgânica pelo Gabinete Regional da Tailândia, Bangcoc, da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, a Dra Rosukon e seus discípulos difundem a enzima pelo mundo afora.

Resumindo a conversa, a enzima do lixo é uma solução orgânica produzida através da fermentação de hortaliças frescas e/ou resíduos de cascas de frutas, açúcar mascavo e água. Sua criadora, a Dra. Rosukon, diz que a fermentação cria cadeias naturais de proteínas, sais minerais e enzimas. Ela explica que o processo catalítico durante a produção da enzima do lixo gera gás ozônio, O3, que reduz o dióxido de carbono na atmosfera e metais pesados nas nuvens que aprisionam o calor, o que mitiga o aquecimento global. 

Para que serve a enzima do lixo?

Usos domésticos:

Em casa, a enzima do lixo pode ser usada para: lavar louça, lavar o chão, o vaso sanitário, para lavar roupas e atualmente o autor deste texto as está testando como condicionador de cabelo (substituindo o vinagre).

Uso na agricultura:

Diluído numa proporção de 1 para 1000, a enzima do lixo pode enriquecer o solo e ajudar a deixar a sua horta adubada e feliz.

Enzima Cítrica: qual a diferença?

Adaptação brasuca da enzima do lixo, a enzima cítrica foi a solução encontrada pela permacultora Claudia Visoni para dar fins as cascas de frutas cítricas que não podem ir para o minhocário.

“Cascas de laranja e limão não vão bem em minhocário e nem em composteira de podas de jardim, se forem numerosas. Procurando o que fazer com esse resíduo aprendi num curso de permacultura a enzima, que adaptei para apenas os cítricos. O restante dos restos de vegetais da cozinha composto”.

As enzimas produzidas exclusivamente com o uso de cascas de cítricos tem, além do poder enzimático, o poder de solver a gordura de um componente especial presente nas suas cascas: o terpeno. Super eficiente, é utilizado inclusive pela indústria dos produtos de limpeza como a Krest que faz diversos produtos como desinfectante multiuso, limpa vidros, limpa estofados, limpa Inox e alumínio, e até um limpa pichação, usado pela concessionária CCR na limpeza de placas de sinalização da Via Dutra.

A escritora Neide Rigo também usa o terpeno das cascas da laranja que saem da sua cozinha para fazer seu desengordurante caseiro. Ela simplesmente bate as cascas com água no liquidificador, coa e voala, temos um produto de limpeza ecológico instantâneo. No seu blog ela diz:

Peguei um pano seco, umedeci com a solução e passei. Esfreguei só um pouco e a gordura se dissolveu.  Aí me empolguei e comecei a limpar fogão, lavar tuperwere engordurado, lavar toda a louça. Incrível!

A agricultora e chefe de cozinha Thais Ferreira, da Roça Diadorim, também produz as suas enzimas cítricas com os restos de cozinha que não vão para o minhocário e para dar um cheirinho especial, ela inclui folhas de citronela, lavanda, alecrim, cravo e canela durante o processo de fermentação, garantindo um cheiro super gostoso e calmante para os seus produtos de limpeza que também atuam como repelente.

Receita: Como fazer enzima do lixo?

Muito simples. Separe 3 partes de restos de cozinha (cascas de frutas e/ou hortaliças), uma parte de açúcar mascavo e 10 partes de água. Misture tudo e deixe fermentar durante 3 meses.

Durante o primeiro mês, você vai precisar abrir a garrafa todos os dias e sentirá cheiro de álcool, liberado na fermentação. No segundo mês, você deve sentir um cheiro ácido, proveniente do ácido acético. No terceiro mês você quase não notará a produção de gases. Neste período os compostos minerais e vitaminas continuarão se quebrando até a constituição da enzima.

Se fizer somente com cascas de cítricos obterá enzima cítrica, super cheirosa. Se fizer com cascas de outras frutas e também somar hortaliças à sua fermentação, obterá a enzima do lixo, que não tem um cheiro tão gostosinho como a cítrica mas, por possuir uma diversidade maior de alimentos para as enzimas durante a fermentação, consegue ser ainda mais poderosa do que a sua irmã cheirosinha.

Validade: as enzimas do lixo ou as cítricas tem validade indeterminada. Depois de prontas, podem ser armazenadas por 10, 20 anos. Quanto mais tempo em fermentação, mais eficiente se torna a enzima. Nos primeiros meses ela se alimenta dos alimentos mais simples. Com o passar do tempo restam somente partículas menores e mais complexas, fazendo com que a enzima precise aprender a quebrá-las tornando-se portanto mais eficiente a cada dia.

Enzimas cítricas em estágio de fermentação.
Enzimas cítricas em estágio de fermentação.

Importante: faça a sua enzima numa garrafa de plástico. Durante as primeiras semanas de fermentação a produção de gás é muito intensa e, caso você se esqueça de abrí-la sua garrafa pode estourar!

Quer saber mais sobre a enzima do lixo?
Confira os posts de referência abaixo:

http://conectarcomunicacao.com.br/blog/148-meus-produtos-de-limpeza/

Se você fala inglês, umas boas referências nos links abaixo:

http://www.enzymesos.com/what-is-eco-enzyme/how-to-use-eco-enzyme

Pin It on Pinterest

Share This