Publicado em

Dia-a-dia: Compras lixo zero

A dica de hoje é sobre como reduzir o impacto no meio ambiente apenas evitando o consumo de embalagens.

Antes de ir ao mercado e à feira, preparo um kit: saquinhos de tecido, potes de vidro e sacolas reutilizáveis.

Você pode reaproveitar saquinhos de sapato, biquinis, ou até aproveitar aquela roupa velha que você não sabe como descartar. Eu uso saquinhos de algodão cru para poder colocar na composteira quando eles se desgastarem. Os potes de vidros vieram do mercado com palmitos, geleias, molhos e óleo de coco.

Para comprar a granel utilizando as suas embalagens, peça para a/o atendente da loja pesar o recipiente e descontar a tara do valor final. Comprar dessa forma também é muito mais econômico. Por exemplo: 1kg de bicarbonato de sódio custa em torno de R$ 5,00 nas mercearias a granel, no mercado comum o pacote com 80g geralmente custa R$ 3,00.

Ultimamente tenho utilizado mais recipientes de vidro do que saquinhos pra não ter que trocar os produtos de embalagem. Higienizo os potes e escrevo o nome do item que desejo com marcador permanente, evitando também o uso da etiqueta. Quando chego em casa, limpo mais uma vez com álcool 70 e guardo no armário.

Se você não se sentir seguro para carregar muitos potes, use os sacos para os grãos e dê preferência para armazenar as farinhas e temperos nos recipientes de vidro.

Na feira eu geralmente levo uma sacola reutilizável e coloco todos os itens juntos, sem sacos plásticos. Levo sacos de tecido apenas para separar os itens pequenos como tomates-cereja e uvas. Outra vantagem dos produtos a granel é a diminuição do desperdício. Compro somente a quantidade que preciso e garanto que o que tem no armário está sempre fresquinho.

Mas e os produtos que não podem ser comprados desse jeito?

Sempre que possível, tento escolher o tipo de embalagem com mais chances de ser encaminhada para a reciclagem – como latas de alumínio, vidros e plásticos transparentes. Evite pacotes metalizados (tipo de salgadinho), sacos plásticos, embalagens de isopor e longa vida. Em São Paulo, é possível reciclar esses materiais, mas mesmo assim precisamos nos esforçar pra encontrar um ponto de entrega voluntária para destinar corretamente.

Os supermercados costumam ter pesagem no caixa. Leve sua sacola e saquinhos reutilizáveis.

Se esqueceu a sacola, tente usar a mesma para colocar diversos itens. Evite separar cada produto por sacola. Ou verifique com algum funcionário se não há uma caixa de papelão dando sopa. E use-a para carregar suas compras.

Eu compro meus itens da feira direto do produtor e uma das coisas mais legais é que eu encontrei uma maneira de fazer a logística reversa. Devolvo pra ele as redinhas, os fios de amarração e os saquinhos das verduras higienizados. Ele consegue reaproveitar embalando outras hortaliças e dessa forma prolongamos a vida útil de algo que foi criado pra ser utilizado apenas uma vez.

Sabia que temos uma lei desde 2010 (Política Nacional de Resíduos Sólidos – Lei nº 12.305) que obriga as empresas a aceitarem as embalagens de seus produtos descartados e os responsabiliza pelo destino desses itens?

Apesar de ser uma exigência legal, a gente sabe que a maioria das empresas não possui um sistema de logística reversa estruturado.

No entanto, quanto mais a gente cobrar, mais chances teremos da lei ser cumprida de verdade.

Outros textos pra você:

Dia-a-dia: Compras lixo zero

As vezes, basta uma mudança sutil no nosso dia a dia para reduzirmos consideravelmente a geração de lixo no planeta. O que pode parecer trabalhoso, trata-se apenas de uma simples mudança de hábito.

Leia mais »

Dia-a-dia: Cafezinho sustentável

As vezes, basta uma mudança sutil no nosso dia a dia para reduzirmos consideravelmente a geração de lixo no planeta. O que pode parecer trabalhoso, trata-se apenas de uma simples mudança de hábito.

Leia mais »

Conceitos importantes

10º – Use e valorize a diversidade

Quem tem pressa, além de comer cru, dá um monte de mancada nos seus afazeres, não é mesmo? O nono princípio do planejamento permacultural reforça que os sistemas pequenos e lentos são mais fáceis de manter do que os grandes, fazendo melhor uso dos recursos locais e produzindo resultados mais sustentáveis.

Leia mais »

9º – Use soluções pequenas e lentas

Quem tem pressa, além de comer cru, dá um monte de mancada nos seus afazeres, não é mesmo? O nono princípio do planejamento permacultural reforça que os sistemas pequenos e lentos são mais fáceis de manter do que os grandes, fazendo melhor uso dos recursos locais e produzindo resultados mais sustentáveis.

Leia mais »

O que é agroecologia?

Verdade seja dita: é muito sedutora a ideia de deduzir o conceito de agroecologia apenas separando a palavra em “partes” e analisando-as com base no que geralmente somos ensinados sobre o que é “agro/agricultura” e sobre o que é “ecologia“.

Leia mais »

7º – Projete dos padrões aos detalhes

Este princípio nos convida a observarmos o nosso espaço de fora para dentro. Primeiro vamos olhar para o macro, para o local onde estamos inseridos, o bioma, os ciclos, as características que pertencem à região como um todo para a partir de então, olharmos para as especificidades da terra para qual estamos planejando (projetando).

Leia mais »
Publicado em

Dia-a-dia: Cafezinho sustentável

As vezes, basta uma mudança sutil no nosso dia a dia para reduzirmos consideravelmente a geração de lixo no planeta. O que pode parecer trabalhoso, trata-se apenas de uma troca de hábito.

Por exemplo, o meu dia só começa depois de um bom cafezinho coado. E, claro, passado na hora. Para evitar a produção de lixo, voltei a usar o bom e velho filtro de pano – feito com tecido 100 por cento algodão.

Existem filtros de diversos tamanhos que podem ser encaminhados para a composteira quando não der mais para usar.

Para limpar, é só jogar água fervente e esperar secar antes de guardar. Você também pode armazená-lo dentro de um pote com água na geladeira. E assim, evitar a proliferação de bactérias.

Existem outras alternativas para tornar sua rotina com o café mais sustentável:
– prensa francesa
– cafeteira italiana
– filtro de aço

Os filtros de papel também são compostáveis, mas podem conter dioxina. Essa substância está presente em papéis que passam pelo processo de branqueamento e causam uma série de problemas para a nossa saúde.

As cápsulas podem até parecer uma solução prática, mas são feitas de uma mistura de materiais (alumínio e plástico), o que dificulta a sua reciclagem. Apesar de algumas empresas garantirem a sua recuperação, esse processo demanda recursos como: água, energia e transporte. Além disso, é preciso encaminhar o resíduo até um ponto de coleta. E é ai que o ciclo geralmente não fecha.

A escolha do café também é importante. Se possível, dê preferência aos cafés agroecológicos, que farão bem para você, para quem produz e para o meio ambiente. Busque na sua cidade (região) alguma feira ou comércio voltados para a agricultura familiar, onde você poderá encontrar produtos de qualidade e com preço justo.

Sabia que você ainda pode reaproveitar a borra do café? 

Receitinhas com borra de café

Adubar as plantas: Misture 100 gramas da borra de café em 1 litro de água e borrife nos vasos.

Esfoliante: Misture o pó de café usado com um pouco de água ou óleo de coco. E esfregue suavemente na pele do corpo e rosto.

Neutralizador de Odores: Coloque a borra de café numa tigela e deixe secar ao sol. Na geladeira ou freezer, ela ajuda a neutralizar odores indesejados.

Trocar o filtro de papel pelo de pano é um exemplo de atitude simples que pode contribuir para a preservação do meio ambiente. E, de quebra, ainda te ajuda a economizar. Fácil, né?

Nesta coluna, vou apresentar pequenas mudanças que adotei em minha rotina para me tornar uma consumidora mais consciente. Tem sido uma jornada incrível e que me faz descobrir novas possibilidades, além de exercitar a criatividade.

Outros textos pra você:

Dia-a-dia: Compras lixo zero

As vezes, basta uma mudança sutil no nosso dia a dia para reduzirmos consideravelmente a geração de lixo no planeta. O que pode parecer trabalhoso, trata-se apenas de uma simples mudança de hábito.

Leia mais »

Dia-a-dia: Cafezinho sustentável

As vezes, basta uma mudança sutil no nosso dia a dia para reduzirmos consideravelmente a geração de lixo no planeta. O que pode parecer trabalhoso, trata-se apenas de uma simples mudança de hábito.

Leia mais »

Conceitos importantes

10º – Use e valorize a diversidade

Quem tem pressa, além de comer cru, dá um monte de mancada nos seus afazeres, não é mesmo? O nono princípio do planejamento permacultural reforça que os sistemas pequenos e lentos são mais fáceis de manter do que os grandes, fazendo melhor uso dos recursos locais e produzindo resultados mais sustentáveis.

Leia mais »

9º – Use soluções pequenas e lentas

Quem tem pressa, além de comer cru, dá um monte de mancada nos seus afazeres, não é mesmo? O nono princípio do planejamento permacultural reforça que os sistemas pequenos e lentos são mais fáceis de manter do que os grandes, fazendo melhor uso dos recursos locais e produzindo resultados mais sustentáveis.

Leia mais »

O que é agroecologia?

Verdade seja dita: é muito sedutora a ideia de deduzir o conceito de agroecologia apenas separando a palavra em “partes” e analisando-as com base no que geralmente somos ensinados sobre o que é “agro/agricultura” e sobre o que é “ecologia“.

Leia mais »

7º – Projete dos padrões aos detalhes

Este princípio nos convida a observarmos o nosso espaço de fora para dentro. Primeiro vamos olhar para o macro, para o local onde estamos inseridos, o bioma, os ciclos, as características que pertencem à região como um todo para a partir de então, olharmos para as especificidades da terra para qual estamos planejando (projetando).

Leia mais »